Priorado da Ordem dos Nobres Cavaleiros da Santa Cruz 

site em construção


O Priorado da Ordem dos Nobres Cavaleiros da Santa Cruz com sede no Brasil e representações na França e Portugal, é uma instituição vernácula, crística, que promove o legado das antigas ordens de cavalaria medievais e perenes votos cristicos.
Para maiores esclarecimentos iniciar contato através do formulário abaixo

+++nnDnn+++

Nome Sexo / Profissão Cidade / Estado E-mail Telefone / WhatsApp Desejas ser um Cavaleiro Templário? Enviar

PALAVRAS DO GRÃO MESTRE

+++Frater23+++ Teobaldo de Champagne +nnDnn+
Grã Prior da Ordem Neotemplária Cavalaria do Brasil.

Templarismo “Papa Hóstias”
Salam Aleycum

Ora, os templários foram formados em 1118 por Hugo de Payen e Godofredo de Bulhões, além de um grupo de nove cavaleiros monges que se propunham proteger os peregrinos que faziam o caminho para a Terra Santa depois da primeira Cruzada (1096 – 1099). Evoluíram, cresceram e se tornaram um contingente de Cavalaria ao estilo militar, tornaram-se milionários, banqueiros, criadores da Nota Promissória e hábeis administradores. Foram reconhecidos pela Igreja e disputados poro Felipe IV, Rei de França, o “formoso” e o Papa.

Ora, em 14 de março 1314, foram acusados através de uma inquisição urdida por esse mesmo Rei em conluio com a Igreja e sentenciados à imolação na fogueira pela prática de heresia, situação essa que dizimou com a Ordem do Templo, cujos membros muito dos poucos conseguiram fugir para países como Portugal, Escócia e Espanha.

Então me vem à cabeça uma pergunta: “Se o neotemplarismo ressurge revivendo a sua história e os usos e costumes medievais, mas trazendo no peito a mágoa da traição da igreja e da monarquia francesa, é justo que volte a se aliar com a Igreja
Católica, comungar missas e comer da suas hóstias, ultrajando a memória daqueles que foram imolados em especial o Grão Mestre do Templo Jaques De`Molay e Gofredo de Charney inclusivamente, utilizando as igrejas pertencentes à Roma?”

Por uma questão ideológica e filosófica, estamos sem templos e simbolicamente a viver em nossas Comendadorias e Acampamentos improvisados, praticando nossos rituais herdados pela maçonaria florestal, aquela que concedeu abrigo aos nossos irmãos fugitivos e às bruxas francesas e italianas quando da perseguição do “Santo Ofício da Inquisição” salvos pelos discípulos do Monge Templário São Teobaldo de Champagne, catequisador dos madeireiros, ferreiros e carvoeiros daquela época.

Dito isso, desejo crer que o templarismo de hoje se abrigue em uma única Nação Templária e forme uma Assembleia Internacional Templária em cada América à exemplo da A.I.T. na Espanha, evitando assim os rachas e divisões, relações incomunicáveis como é o caso da Maçonaria alveneira, infelizmente.

Por derradeiro, salvo melhor juízo, não é de bom alvitre que os Irmãos Templários de hoje, damas e cavalheiros, se relacionem com a Igreja Católica reduto dos seus algozes e sim, fundem, criem e pratiquem todas as relações do cristianismo em seus próprios territórios a preservar os seus “usos e costumes” templários.